Gestão

Veja como fazer a seleção de um bom fornecedor de matéria-prima

Os fornecedores de matérias-primas são fundamentais para o sucesso de um negócio. Para que sua empresa prospere e ganhe competitividade no mercado de comunicação visual, é importante que exista uma relação funcional e efetiva com seus parceiros comerciais.

Comprar matérias-primas deixou de ser apenas um processo de cotação de preços, e, hoje, é uma atividade altamente estratégica na gestão de negócios de comunicação visual.

O fornecedor deve compartilhar de suas necessidades, expectativas, problemas e medos desde o primeiro contato. Quem compra mal, também vai vender mal.

Dessa forma, o gestor deve saber escolher bons fornecedores, com bons preços, prazos de entrega e qualidade em seus produtos, evitando, assim, prejuízos futuros, entre outras dores de cabeça.

“É importante que todas as condições estejam registradas em um contrato. É a segurança que, tanto a sua empresa quanto a empresa contratada, irão cumprir com as obrigações e os deveres que constam do acordado na relação comercial entre as partes”, aconselha João Carlos Natal, consultor do Sebrae.

Para ajudá-lo a escolher o melhor fornecedor de comunicação visual, preparamos algumas dicas fundamentais do que levar em conta na seleção desse parceiro. Confira!

Faça uma pesquisa preliminar

Antes de fechar contrato com qualquer fornecedor de matéria-prima, verifique sua credibilidade no mercado, consulte outros clientes e veja as avaliações sobre a qualidade das relações comerciais com esse parceiro. “Não acredite apenas na apresentação inicial que o fornecedor fizer, veja qual é a imagem dele no mercado, pesquise com mais profundidade”, recomenda o consultor do Sebrae. Verifique se ele costuma cumprir prazos, respeitar contratos e se está atualizado quanto às inovações da área.

Tenha em mente os critérios fundamentais para você, como, por exemplo, o cumprimento de prazos de entrega, o fornecimento de matérias-primas de qualidade, as boas condições de pagamento, um bom histórico de referências, etc.

A partir disso, faça uma pesquisa de como os fornecedores tratam desses itens, atribuindo uma pontuação maior para os que oferecem entrega e parceria mais aderentes às necessidades de sua empresa.

A dupla fundamental: preço x qualidade da matéria-prima

O empresário, preferencialmente, deve sempre escolher o fornecedor que lhe ofereça a melhor qualidade da matéria-prima. Às vezes, o gestor fica tentado a comprar daquele fornecedor que lhe oferta um preço mais baixo, mas entregando um insumo de qualidade duvidosa.

Um bom produto final não apenas aumentará suas vendas como, também, irá fidelizar seus clientes. Na direção oposta, um produto que utiliza matéria-prima de má qualidade afasta consumidores e prejudica a reputação de sua marca.

Para saber até quanto você pode pagar por uma matéria-prima, é necessário fazer um bom planejamento financeiro e uma avaliação quanto aos seus custos de produção e às margens de lucro. Seus fornecedores precisam apresentar valores viáveis para seu orçamento, sem comprometer o preço e a qualidade final do seu produto de comunicação visual.

Prazos de entrega e volume de compras

Esteja sempre atento às sazonalidades do setor de comunicação visual e às oportunidades de venda. Estude essas temporadas e negocie antecipadamente com seus fornecedores as quantidades e os prazos de recebimento de mercadorias como lonas, tecidos, tintas, ferramentas, etc.

“Essa ação melhora o valor médio do seu estoque e dá uma margem maior na estrutura do preço de venda do seu produto, levando maior competitividade ao mercado”, recomenda o consultor.

No entanto, as quantidades e os prazos de entrega estipulados com o fornecedor devem estar fundamentados pelo seu fluxo de caixa e pelo giro de estoque. De nada adianta comprar um grande volume de matérias-primas e elas ficarem paradas durante meses no seu estoque podendo, inclusive, perder a validade e gerar prejuízo para seu negócio.

Estimule parcerias de longo prazo

Mantenha o clima amistoso durante as negociações e sempre faça propostas que beneficie a ambos os lados. Caso ocorra um impasse em determinado preço, verifique outros produtos que o seu fornecedor oferece e tente sugerir a venda casada para redução dos valores dos itens, por exemplo. A iniciativa irá reforçar a relação comercial e promover benefícios para os envolvidos.

Tente negociar melhores prazos de entrega ou descontos no caso de compra à vista. Normalmente, descontos entre 5% a 10% estão dentro dos limites aceitáveis. No caso de compras parceladas, evite prazos além dos tradicionais 30/60/90.

“É fundamental ter conhecimento das quantidades, dos materiais, prazos e valores para começar a negociação com os seus fornecedores de maneira correta”, defende Natal.

A imagem captada pelos fornecedores a respeito da sua organização, com certeza, será a de uma empresa com seriedade e responsabilidade dos seus gestores, estimulando, assim, um relacionamento de longo prazo.

Tenha sempre um plano B

Nunca fique dependente de apenas um único fornecedor. No caso de uma emergência, atraso na entrega da matéria-prima ou impasse na negociação, você será forçado a aceitar um acordo feito às pressas e com condições que, nem sempre, serão vantajosas para seu negócio.

É recomendável criar um cadastro com mais opções de fornecedores para cada matéria-prima, ferramenta ou maquinário utilizado em sua linha de produção. Além de minimizar o risco de desabastecimento, você terá o controle sobre quais fornecedores oferecem os melhores preços e qualidade em seus produtos.

No mercado de comunicação visual, cada parte envolvida (fornecedor, empresa e parceiros) representa um elo na cadeia produtiva do empreendimento. E a gestão efetiva desta cadeia resulta em vantagem competitiva para as empresas, que estarão mais bem preparadas para atenderem às demandas de seu cliente.

Quer mais dicas de como melhorar a competitividade do seu negócio e ficar por dentro das novidades do setor de comunicação visual? Continue acompanhando nosso canal de conteúdo!